Terço dos Homens – Boletim

Terço dos Homens

O Terço dos Homens deve ser uma atividade existente em todas as paróquias do Brasil. Inspirados pela Família de Nazaré, devemos ter consciência de que é o Espírito do Senhor Ressuscitado que nos une como Homens do Terço e que garante a nossa pertença a Deus.

Terço dos Homens

Página Oficial do Terço dos Homens
[ https://www.a12.com/santuario/eventos/terco-dos-homens ]

Na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, Vila Hamburguesa, São Paulo, Capital, o grupo do Terço dos Homens se reúne toda Segunda-feira, 20h00. Participe.

Terço dos Homens Paróquia Nossa Senhora de Lourdes

Boletim Terço dos Homens – Dezembro/2019

O Sentido do Natal para os Padres da Igreja

Entre os primeiros pensadores do cristianismo, carinhosamente chamados Padres da Igreja, figuram homens que sempre destacaram a importância e o significado do Natal. Inácio de Antioquia defende apaixonadamente a verdadeira fé contra o docetismo, uma das mais antigas heresias que reduzia a existência humana de Jesus a uma simples aparência.

Irineu de Lião realça o lugar central que Cristo ocupa no plano divino; é dele a expressão verdadeiro Deus, verdadeiro homem. Sua obra “Contra as heresias” ensina o valor e a grandeza do mistério do Natal: “O Filho de Deus se fez homem para que o homem, misturando-se ao Verbo e recebendo a adoção filial, se torne filho de Deus […] Com efeito, não podíamos receber a incorruptibilidade e a imortalidade, a não ser estando unidos à incorruptibilidade e à imortalidade”.

Tertuliano exprime a unidade de Cristo na dualidade das naturezas: em Cristo coexistem duas naturezas unidas sem confusão. Como resposta aos hereges que não aceitavam “a ideia de um Deus coagulado no útero, parido entre dores, lavado e enfaixado”, Tertuliano responde que “Cristo amou o homem, e juntamente com o homem, amou o seu modo de vir ao mundo”.

Mais sobre o natal…

Atanásio apresenta, no tratado sobre a encarnação, uma exposição orgânica da fé cristã, tendo como referência a manifestação do Verbo na carne. Esta obra, amplamente difundida na antiguidade cristã, tem como princípio o mistério do Verbo, que se revelou em um corpo para restituir ao homem a incorruptibilidade e o conhecimento de Deus. Para Atanásio, ao assumir a natureza humana: “O Verbo de Deus se fez homem para que o homem se tornasse Deus”.

Gregório Nazianzeno antecipa a fórmula conciliar de Calcedônia que estabelece a unidade das naturezas em Cristo, verdadeiro Deus, verdadeiro homem. A genialidade de Agostinho sublinha a humildade da condição humana que o Verbo assumiu. A memória de Cirilo de Alexandria está intimamente ligada à doutrina sobre a maternidade divina. O mistério do Verbo encarnado é o centro da doutrina e da espiritualidade do grande Orígenes.

A encarnação do Verbo de Deus no mundo dos pobres é o ponto de partida para a vida terrena de Jesus. Para a fé cristã poucas coisas são tão preciosas, pertinentes e relevantes na figura de Cristo como a inequívoca afirmação da sua carne. O nascimento de Jesus nos faz pensar que, a partir da sua encarnação real e concreta na história humana, podemos ter acesso ao conjunto do mistério de Cristo.

Feliz Natal!


A MISSÃO DOS HOMENS DO TERÇO

Terço dos Homens

Os Homens do Terço receberam de Deus uma missão especial. Somos chamados a construir as nossas relações familiares com os mesmos valores que marcaram a convivência da Sagrada Família de Nazaré. Nunca podemos nos esquecer de que é o diálogo que une, fortalece e aproxima a nossa família das abundantes bênçãos de Deus. Reunidos pelo verdadeiro amor familiar, estaremos sempre protegidos por Jesus, Maria e José. Nosso principal trabalho é evangelizar e transformar vidas, começando sempre através do cuidado pela nossa própria família.

Com muita simplicidade, mas de maneira igualmente sincera, nunca podemos nos esquecer de que a missão do Terço dos Homens começa na nossa própria casa. O nosso lar deve ser o nosso porto seguro. Nosso testemunho de vida cristã começa com a nossa família. Este é o ponto de partida para uma missão maior e mais abrangente. É a partir da nossa casa que somos chamados por Deus para evangelizar e para anunciar a obra da salvação realizada pelo Senhor.

Inspirados pela Família de Nazaré, devemos ter consciência de que é o Espírito do Senhor Ressuscitado que nos une como Homens do Terço e que garante a nossa pertença a Deus. Depois do aparente fracasso da cruz, os discípulos se dispersaram e se deixaram abater pelo medo e pela morte de Jesus. É o próprio Ressuscitado que novamente reúne os discípulos, devolvendo a eles a esperança e a coragem de anunciar o Evangelho.

Somos membros da família de Deus

Fomos reunidos por Deus como membros da família do Terço dos Homens. É o Espírito do Ressuscitado que nos convida ao discipulado. Seguir o Redentor para formar a família do Terço dos Homens é um convite muito especial que um dia foi a nós dirigido. Para responder positivamente a este chamado de viver a intimidade familiar com Deus, é preciso o auxílio da graça divina. O mesmo Deus que nos reúne como filhos também nos concede as forças necessárias para vivermos a harmonia familiar na nossa própria casa.

A Família de Nazaré

A Família de Nazaré permanece como um modelo a ser seguido por todas as famílias no mundo de hoje. Jesus, Maria e José indicam que a nossa convivência familiar deve ser marcada pela harmonia e pelo fortalecimento dos nossos laços afetivos. O amor a Nossa Senhora também está presente no coração de todos os membros da Família Terço dos Homens.

A ternura e o aconchego familiar que Jesus viveu em Nazaré nós também experimentamos por ocasião da oração do Terço dos Homens. Somos uma família em missão, e é a Família de Nazaré que sempre nos acompanha, nos une, nos fortalece. À semelhança de Maria e guiados pelo seu amor de Mãe, queremos assumir com alegria a missão de anunciar para todas as pessoas que o Reino de Deus já está entre nós.

Solidariedade e amor pelos pobres

Além da oração do Terço, uma importante missão da Família Terço dos Homens é apoiar obras de educação e de assistência social que promovam e transformam vidas, sobretudo através da caridade e do socorro aos pobres. Somos uma família em missão. Anunciamos o Evangelho de Cristo através do nosso exemplo de solidariedade e de amor pelos pobres.

Não podemos deixar de participar de projetos sociais que ajudem a fazer deste mundo um lugar melhor e mais feliz. Através de gestos concretos de caridade e de promoção humana, queremos construir um mundo mais justo para homens e mulheres livres, que experimentam a alegria e a ternura de pertencer à família de Deus.

A Casa da Mãe é um pedacinho do Céu

Frequentemente dizemos, sempre com muito carinho, que o Santuário Nacional de Aparecida é a “Casa da Mãe”. E gostamos de falar assim porque a casa da nossa mãe é também a nossa própria casa, mesmo quando deixamos de morar com os nossos pais para construirmos a nossa casa.

Fazemos questão de acolher bem a todos, especialmente você que faz parte do Terço dos Homens. Nosso maior desejo é fazer deste lugar um pedacinho do Céu, lugar de oração, de encontro e de experiência com Deus. O melhor lugar do mundo é sempre a nossa própria casa, o nosso lar! Por isso nos empenhamos em fazer do Santuário Nacional a sua casa: “Casa da Mãe”, Morada de Deus, Casa de irmãos.

Maria nos incentiva a cuidar da nossa família

“Deus é Amor”! Assim nos ensina a primeira carta de São João (1Jo 4,8). Quem ama cuida, quem ama protege, quem ama participa! Nós amamos Nossa Senhora, a Mãe de Deus. Nosso amor é filial; nosso amor é eterno. Por isso assumimos com alegria a vocação de cuidar bem da nossa família.

A fé cristã nos ensina que Maria gerou e deu à luz o Filho amado de Deus. Nossa Senhora é a portadora de Deus. É ela que traz o Céu bem pertinho de nós. Pelo mistério da Encarnação Maria fez da presença de Deus no mundo uma realidade. Céus e Terra contemplam o realismo de um Deus que se fez presença na história humana de uma vez por todas.

Foi o “sim” generoso e decidido de Maria que trouxe ao mundo a presença amorosa e real do próprio Deus. “Na plenitude dos tempos, Deus enviou seu Filho, nascido de uma mulher”, como nos recorda o apóstolo Paulo (Gl 4,4). O ventre de Maria foi para Jesus o melhor lugar de carinho e de aconchego. Quando veio a este mundo, Deus quis para si o amor de uma Mãe.

Padre Eduardo Catalfo
Santuário Nacional de Aparecida